Mostrar mensagens com a etiqueta Évora. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Évora. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O que visitar no Alentejo?

Pensar em Alentejo é pensar em calmaria, paz, tranquilidade. Se vem a Portugal para relaxar, então a passagem pela região Alentejana é obrigatória!


Comecemos por Portalegre. Destacam-se, além das suas paisagens (e o triângulo turístico Portalegre-Marvão-Castelo de Vide), as vastas ofertas de Turismo Rural e Urbano, a sua gastronomia especial, os seus vinhos, azeites e ainda vários produtos regionais (os Rebuçados de Ovos, as Amêndoas de Portalegre, queijos e enchidos, etc.). 


Descemos um pouco e chegamos a Évora. Évora é testemunho de diversos estilos e correntes estéticas, sendo ao longo do tempo dotada de obras de arte. O seu centro histórico bem-preservado é um dos mais ricos em monumentos de Portugal, o que lhe vale o epíteto de Cidade-Museu. Em 1986, o centro histórico da cidade foi declarado Património Mundial pela UNESCO.


Ainda em direção a Sul, encontramos Beja. No castelo, nos museus, nas igrejas e nos conventos poderá perceber como se foi construindo esta cidade. Mas conhecer Beja é também deixar-se levar pelas ruas estreitas... Percorrê-las pisando as pedras da calçada, ser transportado no tempo e explorar um labirinto rico em vivências e valores históricos e patrimoniais. A cidade também abre portas a um vasto património natural, com paisagens de perder de vista.

Por fim, chegamos ao litoral alentejano. Um verdadeiro luxo em termos paisagísticos, com praias absolutamente maravilhosas e uma arquitetura tão característica que convidam à boa disposição, ao sorriso e ao sossego. De Tróia a Odemira, no Litoral Alentejano o turismo é já uma aposta segura. Entre a foz do Rio Sado e a Zambujeira do Mar, o litoral alentejano surpreende por ser uma área de costa tão bem preservada, com pequenos paraísos de sol e praia, gente amável e boa gastronomia.

Venha descobrir Portugal  e tudo o que tem para lhe oferecer. Marque já o seu tour em Best Time Tour

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Encante-se pelas riquezas Alentejanas




Artesanato

Portugal é o maior produtor mundial de cortiça, a maior parte da cortiça que produz vem dos sobreiros e azinheiras do Alentejo, assim se justifica a grande ligação entre a cortiça e o artesanato alentejano. É em cortiça que se fazem as figuras que representam o antigamente dos trabalhos do campo, como os tarros que transportavam a comida ou os “cochos”.
Actualmente já se fazem todo o tipo de peças em cortiça, produzidos em série e não por artesãos, mas apesar disso continuam a representar o património alentejano.

O mobiliário alentejano é um tipo de mobiliário com características populares e regionais, que se enquadra no artesanato tradicional e envolve três actividades: a carpintaria, o empalhamento e a pintura.
Os móveis típicos alentejanos são pintados com tinta de esmalte e têm fundos brancos, azuis, verdes ou vermelhos e são decorados com pinturas de flores e laços coloridos, destacam-se as camas, secretarias, as cadeiras com assento em buinho (palha), os guarda-fatos, arcas, entre outros.
Os Tapetes de Arraiolos, característicos da vila de arraiolos, na região do Alentejo,  são a prova da existência de produtos tradicionais portugueses de qualidade bordados à mão. São tapetes bordados em lã, cujo seu ponto de costura tem o mesmo nome e é feito sobre uma tela de juta, algodão ou linho. Em comparação com diferentes espécies de tapetes, como os tapetes persa e turco, os tapetes de Arraiolos, denotam algumas semelhanças, apesar de existirem evidentes divergências na execução. Os tapetes de Arraiolos são bordados recorrendo ao ponto cruzado oblíquo (o ponto de Arraiolos) sobre uma base consistente de tecido base forte, o que consegue dar à tapeçaria a resistência e solidez, sendo que este bordado é executado, geralmente, em três fases que são: bordar a armação, fazer a matização, preencher os fundos.
Apesar de ser um produto tipicamente alentejano, hoje em dia são produzidos um pouco por todo país.


Monumentos

O templo romano de Évora, erroneamente conhecido como Templo de Diana, está localizado bem no centro da cidade de Évora e é um dos maiores e mais bem preservados templos romanos de toda a Península Ibérica, tendo sido considerado Património Mundial pela UNESCO em 1986 e encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo IGESPAR. É um dos mais famosos marcos da cidade e um símbolo da presença romana em território português.
Com o passar dos séculos, o Templo foi sofrendo várias destruições e alterações na sua utilização original, tendo chegado a servir de casa-forte ao castelo da cidade e até  como matadouro.
Já no século XIX sofreu uma grande restauração, que tinha o objectivo de devolver-lhe o traçado original. Apesar de todas alterações que foi sofrendo, o Templo consegue manter a sua planta original.




Gastronomia

Uma das características principais da doçaria alentejana é a enorme presença das gemas de ovo e isso pode ter uma explicação. Diz a história, que os produtores de vinho da região clareavam o vinho através da utilização de claras de ovo, não se sabendo ao certo qual seria o processo utilizado. O que parece certo é que as gemas que sobravam, eram oferecidas aos conventos e posto isto surgiram as receitas conventuais, repletas de ovos, com o é o caso da encharcada e a sericaia.
Não existem certezas sobre origem da sericaia, alguns afirmam que a sua proveniência seja da Índia, outros que seja do Brasil.
Diz-se que a receita começou a ser confeccionada em dois conventos alentejanos e ambos reclamam a receita original, o Convento das Chagas de Vila Viçosa e o Convento das Clarissas de Elvas, sendo que um deles lhe chama de Sericaia e o outro de Sericá.  À textura fofa do doce confeccionado com ovos, açúcar, leite, farinha, canela e limão, se junta as famosas ameixas de Elvas e o seu molho.

O consumo de carne de porco no Alentejo começou bastante tarde e só se intensificou com conversão forçada das populações não-cristãs em 1495. Contudo hoje em dia, é um dos elementos mais comuns e presente em mais receitas.
Um desses casos são as migas à alentejana, que à semelhança de outras receitas alentejanas, o pão é um dos ingredientes principais a par da carne de porco.





Vinhos

A plantação de vinha nesta região remonta à ocupação romana. Os terrenos de características essencialmente planas pautado por alguns acidentes de relevo, influenciam de forma marcante a qualidade do solo. Com um clima maioritariamente mediterrânico, as temperaturas médias do ano variam de 15 a 17,5º, observando-se a existência de grandes amplitudes térmicas e Verões quentes e secos, no entanto, é nas elevações que se originam os microclimas propícios à plantação de vinha e que dão qualidade às massas vínicas.
A região vinícola alentejana está dividida em oito sub-regiões, são elas Reguengos, Borba, Redondo, Vidigueira, Évora, Granja-Amareleja, Portalegre e Moura.
Os vinhos branco alentejanos são usualmente suaves, um pouco ácidos e apresentam aromas a frutos tropicais. Os tintos são encorpados e com aromas a frutos silvestres e vermelhos.    
Com o objectivo de controlar a produção vinícola, nos anos 50, foi criada a primeira adega cooperativa da região. Mas só nos anos 80 é que o Alentejo teve a sua grande revolução vitivinícola, fazendo com que em 1988 se justificasse a demarcação oficial da região.




O Alentejo é uma região de múltiplas riquezas, que dá vontade de conhecer cada vez mais. Entre em www.besttimetour.com e encontre o roteiro pelo Alentejo que mais gostaria de fazer 



terça-feira, 26 de abril de 2016

Conheça o 1º vinho de água português que anda a conquistar o mundo

O Alqueva é o armazém, desde outubro de 2015, de garrafas de vinho que até junho de 2017 serão submersas nestas águas, dando origem ao primeiro vinho de água português. As garrafas amadurecidas 8 meses em barrica estão a ser colocadas debaixo de água pelo menos mais 8 meses. A comercialização deste vinho começou dia 16 de abril e já tem suscitado a curiosidade de diversos mercados externos.
A ideia, inspirada na qualidade dos vinhos provenientes de barcos naufragados, teve origem no Alentejo, no produtor vitivinícola Ervideira. Este é denominado o “Conde de Ervideira Vinho da Água”.

Foto: Nuno Veiga / Lusa

Neste primeiro ano estão a ser lançadas 32 mil garrafas do vinho topo de gama do produtor Alentejano – o Conde D’Ervideira Reserva Tinto 2014 – que vão sendo submersas nas imediações da Amieira Marina, perto de Évora.
As garrafas têm vindo a ser progressivamente acondicionadas, seladas e lacradas e estão  a uma profundidade de 30 metros. Segundo os responsáveis pela produtora vitivinícola, a água permite que o vinho esteja num estágio que não é possível atingir em cave, visto que neste meio não há variação de temperatura, nem de luminosidade. À imprensa nacional o enólogo Nelson Rolo, da produtora Ervideira, salienta a “maturação muito nobre, exuberante e redonda em termos de taninos”.


Até ao momento, foram já retiradas cerca de 12 mil garrafas do primeiro vinho de água português e segundo afirmou a produtora Alentejana, no dia do lançamento oficial do vinho, “o processo está aprovado. O vinho está mais aromático, com uma cor mais violácea e não tem oxidação nenhuma”.
Este é mais um projeto nacional de elevado potencial de inovação que atesta a qualidade única dos vinhos portugueses.



Quer conhecer a região Alentejana? Visite a Best Time Tour e aprecie connosco um dos nossos Tours pela região.


sexta-feira, 15 de abril de 2016

Faça um Roteiro ao Algarve em poucos dias

Da capital portuguesa até ao Algarve são cerca de três horas de viagem. Mas a promessa de descobrir a beleza e singularidade de cada detalhe histórico e paisagístico das cidades da região Alentejana e costa vicentina fazem do caminho a perfeita motivação para partir à exploração.
Venha connosco neste roteiro de dois dias, onde encontrará as raízes romanas da cidade de Évora, que marcará o passo para deliciar-se com os tesouros vinícolas e paisagens verdejantes de Estremoz, rumo ao clima único do sul do País.

1º dia
Partimos de Lisboa até ao centro histórico de Évora, decretado Património da Humanidade pela UNESCO. A Praça Giraldo é o ponto de partida para conhecer a cidade Alentejana. Évora é considerada uma autêntica cidade museu, pela riqueza do espólio histórico que conserva até aos dias de hoje. A cidade foi profundamente marcada por influências celtas, romanas, árabes, judaicas e cristãs, tornando-a num verdadeiro tesouro guardado pelas suas imponentes muralhas.


Seguimos para a Sé de Évora, como mais comummente é denominada. De seu nome Basílica Sé de Nossa Senhora da Assunção, esta é a maior catedral medieval de Portugal. A sua construção remonta ao século XII e destaca-se pela sua imponência, toda em granito.
O nome não deixa ninguém indiferente e o local também não, sendo um dos monumentos mais visitados em Évora. Falamos da Capelados Ossos, que faz parte da Igreja de São Francisco, em que toda a estrutura é revestida a ossos humanos.


Já recompostos da experiência e ainda no centro histórico, seguimos até ao Templo de Diana, um dos mais belos exemplares deste tipo de construção romana na Península Ibérica.


Daqui nos despedimos desta cidade e continuamos a apreciar a paisagem e clima Alentejano, partindo à descoberta do tesouro vinícola da Adega da Cartuxa, onde sugerimos não deixar de apreciar uma prova de vinhos e azeite que lhe demonstrarão o que de melhor a região oferece a quem a visita. Pare um minutos para apreciar, também, a imensão verdejante que terá à sua volta e prepara-se para voltar à estrada que o levará até o centro histórico de Estremoz.
Ali bem pertinho, em Vila Viçosa, o Museu do Mármore homenageia esta matéria-prima característica da região.
Siga para sul, repouse deste primeiro dia intenso em Faro e prepare-se para explorar a costa Algarvia.




2º dia
Acordando com o clima ameno e solarengo da região Algarvia, sugerimos que o dia comece pelo centro histórico de Tavira, local de confluência de diversas culturas que ali deixaram pisadas ao longo dos séculos, até à bela Marina de Tavira.

Rumo a Vilamoura, a sua Marina, premiada internacionalmente, é outro dos locais de passagem obrigatória. E de volta à estrada, que tal perder-se pelas ruas do centro histórico de Portimão?



Lagos é a próxima paragem para apreciar a beleza das suas falésias que tornam as suas praias únicas, até à Meia Praia, considerado um dos mais belos areais do mundo.
De regresso à capital, siga pela costa vicentina ideal para prática de desportos radicais no mar e paisagens de cortar a respiração.



Está preparado para rumar até ao sol do Algarve? 
Conheça o roteiro de dois dias até ao Algarve da Best Time Tour.

E se preferir descobrir outros roteiros em Portugal e Espanha visite www.besttimetour.com.


quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Évora a cidade portuguesa com templo romano

Na cidade de Évora pode visitar o Templo Romano de Évora, um dos mais importantes monumentos romanos em Portugal.
Situado no ponto mais alto da cidade, no largo Conde de Vila Flor, este monumento conhecido como Templo de Diana é um templo de estilo coríntio, construído no início do século I. Chega-nos pela tradição popular que o templo é dedicado a Diana, deusa romana da caça.


Ao longo dos séculos sofreu várias transformações, que começaram no século V com as invasões bárbaras e continuaram pelo século XIV quando servia de casa-forte ao castelo da cidade. Na segunda metade do século XIX deu-se início a uma grande operação de restauro, repondo o traçado primitivo do templo








Explore o rico legado deixado pelos Romanos e os Mouros, delicia-se com a gastronomia e desfrute da tranquilidade num tour pela cidade de Évora. Veja outros Tours porPortugal em www.besttimetour.com



Artigos Relacionados:



terça-feira, 29 de setembro de 2015

O que fazer em Lisboa em 3 dias?

Portugal é um país muito rico em gastronomia e sítios turísticos. Como é um país de dimensão pequena há uma grande facilidade de se deslocar a várias cidades num curto espaço de tempo. Hoje sugerimos um roteiro para 3 dias numa estadia por Lisboa.

Roteiro

1º Dia
Lisboa - Sintra (Centro Histórico) - Serra de Sintra - Castelo dos Mouros - Palácio da Pena - Palácio de Seteais - Cabo da Roca - Guincho - Cascais – (Centro Histórico) - Estoril






2º Dia
Évora centro - Capela dos Ossos - Templo de Diana - Sé de Évora - Praça Giraldo - Tomar (Centro Histórico) - Castelo dos Templários - Igreja São João - Batista - Igreja de Santa Maria dos Olivais - Aqueduto de Tomar - Fátima centro
Santuário de Fátima - Capelinha das Aparições






3º Dia

Coimbra - Universidade Coimbra - Paço das escolas - Sala dos Capelos - Sala dos Exames - Sala das Armas - Biblioteca Joanina - Torre da Universidade Sé Velha - Sé Nova - Zona Ribeirinha - Praia da Nazaré - Farol da Nazaré - Vila de Óbidos - Castelo de Óbidos




Marque o seu roteiro de três dias e não perca a oportunidade de fazer outros roteiros por Portugal com a Best Time Tour.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...